Conheça 10 princípios da espiritualidade universalista



1. A VERDADE POSSUI INFINITAS FACES

Este princípio é fundamental para a compreensão de um Espiritualismo Universalista. Entendendo que Deus ou o Todo são uma realidade infinita, que a tudo inclui, como pode um ser humano ou religião instituída afirmar com certeza absoluta que detém toda a Sabedoria e a Verdade? Como pode aquilo que é temporal e finito, dizer que sabe e assimila o Infinito? Portanto, alguém que se considera espiritualista universalista não tem ou apresenta verdades absolutas. Um verdadeiro universalista sabe que muitas são as interrogações, provavelmente em número muito maior que a quantidade de alicerces de seu conhecimento.

2. HUMILDADE

O Princípio da Humildade provém naturalmente do anterior. Aquele que assimilou de fato que “A Verdade possui infinitas faces”, torna-se, consequentemente, mais humilde. Portanto, aqueles que se dizem espiritualistas universalistas, mas que no dia a dia usam largamente a ironia, o desprezo e a arrogância, ainda não compreenderam o que é Espiritualismo Universalista.

3. FAZER AO PRÓXIMO O QUE GOSTARIA DE RECEBER

Este princípio correlaciona-se estreitamente com os dois anteriores, e é igualmente fundamental numa caminhada espiritualista universalista. Aliás, é uma questão basilar para o bom convívio humano, em qualquer circunstância. Assim, se alguém se intitula ou crê ser um universalista, mas fere esta “regra de ouro” com frequência, seja na sua vida privada ou pública, apenas presta um desserviço à propagação de um Espiritualismo Universalista.


4. AUTORREALIZAÇÃO/HARMONIA

Realizar-se enquanto ser humano/consciência espiritual é algo inerente a qualquer pessoa, quer ela perceba ou não. E conforme alguém vai realizar na vida, naturalmente também vai adquirindo harmonia neste processo. O Princípio de Autorrealização/Harmonia é particularmente importante no contexto do Espiritualismo Universalista, onde ganha aspectos mais amplos do que em caminhos de vida mais específicos. E quanto mais consciente for o universalista, de seus propósitos de vida, maiores são as chances de se desenvolver bem e de encontrar plenitude.

5. O CONTEÚDO É MAIS IMPORTANTE QUE A FORMA

O verdadeiro universalista consegue notar, com alguma facilidade, o que está por trás dos cultos exteriores das diversas religiões, percebendo o “cerne”, ou seja, quais os valores/significados principais que ficam encobertos pelos rituais. E é este “cerne” ou “essência” que o universalista considera realmente relevante. Em outras palavras, ele compreende que “o conteúdo é mais importante que a forma”.


6. PREDOMINÂNCIA DO MONISMO

Genericamente, chama-se de monismo às teorias filosóficas que defendem a unidade da realidade como um todo (em metafísica). O espiritualista universalista privilegia uma visão mais “monista”, embora não negue e compreenda que o dualismo seja fundamental para o desenvolvimento do espírito, sobretudo enquanto encarnado.


Portanto, apesar de entender que as ideias dualistas de bem X mal, erro X acerto, luz X trevas, são relevantes no início da caminhada espiritual, conforme vai obtendo uma expansão consciencial, acaba por notar que o monismo prevalece: bem e mal são relativos; todos temos uma Essência Divina; todos temos impulsos de autorrealização; todos precisamos amar e ser amados; todos manifestamos aspectos da Inteligência Universal;...

7. ESPIRITUALIDADE É VIVÊNCIA

Para se ter uma percepção mais realista de um Espiritualismo Universalista, é preciso vivenciar algumas correntes religiosas/filosofias de vida. Ou seja, não basta o conhecimento teórico, mas sim, ter se engajado e participado de diferentes agrupamentos, pelo tempo necessário para assimilar conceitos e experiências práticas.

8. TOLERÂNCIA

Este Princípio vem em consequência do anterior. Por enxergar que cada agrupamento religioso traz uma essência, que é parcela do Todo, o universalista se torna tolerante. E quanto mais se aprofunda e exercita, tenderá a adquirir mais Tolerância. Portanto, alguém que se julgue espiritualista universalista, mas que frequentemente aponta a “ignorância alheia” ou vive crendo na sua própria “maior sabedoria”, precisa se reavaliar com urgência, pois age semelhantemente àqueles que são abertamente dogmáticos/ortodoxos.


9. FLEXIBILIDADE

O Princípio da Flexibilidade é desenvolvido a partir da Tolerância e concomitantemente com ela. Assim, o universalista sente e pensa de forma mais flexível sobre tudo o que o cerca, passando a agir com maleabilidade diante das circunstâncias adversas e desafios da vida. O novo não o assusta, sendo encarado como oportunidade de algum aprendizado. Agindo desta forma, o crescimento não cessa...

10. AUTOCONHECIMENTO

O “Conhece-te a ti mesmo” é um Princípio fundamental para o espiritualista universalista. Somente através de um bom grau de entendimento, quanto aos próprios sentimentos e principais mecanismos psicológicos, é que o universalista terá condições de colocar em prática diversos dos Princípios anteriormente assinalados.

Fonte: Livro Espiritualidade em Foco


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square

ENTRE EM CONTATO

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube

Endereço: R. Borges Lagoa 508 - São Paulo, SP 040038-000

Contato@cura-te.org.br

Conheça o projeto

Você quer nos ajudar a continuar esta obra?

amigos do Cura-te logo.png
WhatsApp-icone.png

 2016 - Cura-te © Todos os direitos reservados - CNPJ: 31.171.222/0001-09