O que é a Auto-obsessão?

É habitual nos depararmos com o ser humano atribuindo ao próximo a culpa pelos seus resultados negativos, raramente reconhecem como os responsáveis pelos próprios sofrimentos. Boa parcela acreditam que são vítimas de um espírito obsessor.

Atualmente a física quântica, através do estudo de elétrons revelou que o observador pode interferir no resultado de um experimento, fazendo com que elétrons, ao serem lançados, ora se comportam como ondas e, outras vezes, como uma partícula, ou seja, o simples fato de olhar pode alterar o produto final.


Unificando o aspecto espiritual ao científico, temos o pensamento como uma energia que pode atuar sobre a matéria, seja mental ou etérea. Devido à plasticidade de ambas, poderão ser moldadas de acordo com o padrão ou a característica da energia atuante.


Dessa forma, de acordo com a intensidade e a densidade dos nossos pensamentos, poderemos moldar essas matérias a ponto de tornarem-se visíveis aos espíritos e aos videntes, o que André Luiz denomina de “formas-pensamento” em suas obras.


Quando nossos pensamentos apresentam características inferiores – como ira, rancor, ódio, avareza, vaidade, orgulho, sexualidade, apegos excessivos, desejos irascíveis e tantos outros –, moldamos nossa matéria mental e a etérea que nos circunda com energias de baixa vibração e alta densidade.


Com a perpetuação desse processo, cristalizamos ao nosso redor esses pensamentos, que, por força do hábito, gradativamente se tornam uma realidade para nós. Assim, deixamos de perceber a real verdade para apenas enxergarmos a verdade que queremos.


Passamos a acreditar que estamos certos, e os outros, errados. Então, nós nos fixamos em uma forma-pensamento, que, por mecanismo de retroalimentação, alimenta ainda mais os pensamentos que nos colocaram nessa posição e entramos em um ciclo do qual é muito difícil sair.



Toda onda tem uma frequência e uma amplitude, que lhe permitem certa sintonia, lembrando que sintonias afins tendem a se unir. Desse modo, ocorre afinidade entre duas faixas de mesma frequência e mesma amplitude. Portanto, nós nos unimos a outros pensamentos similares aos nossos por meio dessa energia, recebemos o que emitimos.


Assim, recebendo os estímulos que a vida nos oferece, construímos por conta própria as interpretações e os juízos de valores para as pessoas, os objetos e as situações que nos afetam. A auto-obsessão ocorre quando fazemos o papel de obsessor em uma ideia fixa e também o papel de vítima.


Ninguém está livre de ver seus desejos contrariados, seus objetivos não concretizados, suas ideias deturpadas e seus gestos mal interpretados. Todos esses acontecimentos podem criar mágoas e contrariedades que estacionam ressentimentos duradouros dentro de nós. É assim que encontramos inúmeros exemplos de “ideias fixas” que nos aprisionam num processo de auto-obsessão refletindo nossa própria insanidade.


Devemos buscar nos conhecer melhor, realizar um trabalho de interiorização para equilibrar nossas energias e pensamentos, ser mais positivistas e deixarmos de reclamar de tudo ou sermos empecilhos na nossa própria vida. Dessa forma, conseguiremos sair do vício do vitimismo obsessivo, que é a auto-obsessão, e começaremos a viver a vida em paz e com


equilíbrio.


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square

ENTRE EM CONTATO

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube

Endereço: R. Borges Lagoa 508 - São Paulo, SP 040038-000

Contato@cura-te.org.br

Conheça o projeto

Você quer nos ajudar a continuar esta obra?

amigos do Cura-te logo.png
WhatsApp-icone.png

 2016 - Cura-te © Todos os direitos reservados - CNPJ: 31.171.222/0001-09